Agradeceria se pudessem deixar um comentario sobre o que leram...;)

1.5.11

Morna.

Porque tanta gente é tanta coisa?

E eu me restrinjo a ser nada...

Não sou amante,não sou amada,
Não sou solteira,nem sou namorada
Não sou filha,nem mãe

Morna.

Tudo muda e eu continuo assim...por mim mesma.

As vezes tenho vontade de pedir desculpa ao mundo...por ter deixado ele entrar no meu coraçao.

Queria ser alguem...para alguem.

Simples assim.

Queria que se importassem,e não quero cobrar,queria que desejassem minha presença e afeto,mas isso não é possivel...eu não dou nada disso...nem sei se tenho isso em mim.

Um comentário:

Principe de la fantasía onírica disse...

Oi Kamina, sou o Sergio.

Gosto da sua sensibilidade.
Sabe, em Esperanto, "morna" é melancólico. Quando eu li o título pensei "como?, em Esperanto" :)